Lixão de Brasília e o Profissão Repórter 

Por: José Maciel

02/11/2015 - 22:23h

É estranho que na Capital Federal do Brasil, onde não faltam lixões, o Profissão Repórter da TV Globo haja detectado apenas um ou, o considerou o mais importante. Talvez essa opção seja por se tratar do menos insalubre em relação aos demais encravados no centro do poder político do País.

 

O programa foi enfático ao notabilizar o fedor daquele ambiente, fazendo alusão à distância que o separa de outro infinitamente pior que está ao lado de outro e em frente de mais alguns na mesma praça, a dos Três Poderes, de onde emanam as decisões nacionais para o bem e para o mal do País.

 

Os lixões omitidos pelo Profissão Repórter, até se prove o contrário, são mais tóxicos e mortíferos que aquele de que não se sabe haver causado apenas sete vítimas durante a sua existência. Entretanto, em relação aos outros é praticamente impossível contabilizar os estragos vitais, sociais e econômicos causados à população.

 

Quanto a estes e suas filiais espalhadas por todo o País não há dúvida de seu poder contaminador, avassalador e destruidor de vidas humanas e de valores sagrados cristãos potencializados pela impunidade dominante nesta República de poucos, para poucos e contra muitos.

 

Os síndicos dos lixões oficiais tramam os assaltos à Nação numa articulada comparsaria, a exemplo do mensalão do PT, saques à PETROBRÁS e outros tantos que o País já não suporta mais.

 

Por que então fazer matéria sobre apenas um lixão e não, nos incontáveis lixões existentes em todo o território nacional produzindo tragédias sociais em razão dos desvios dos recursos da saúde, da educação, da segurança pública e praticamente de todos os setores gerando desemprego, inflação, delinquência social, particularmente, infanto-juvenil; insegurança dos cidadãos, etc.

 

O grau de periculosidade dos lixões ignorados pelo Profissão Repórter na noite do dia  27 supera o do césio 137, o câncer, a Aids e outros tantos juntos. É o que se conclui da insalubridade e inospitabilidade daqueles outros, domicílios de outras espécies de urubus, gaviões, carcarás e ratos.

 

Busca rapida:

“Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Jornal Cocktail”