Ai de nós!

Por: Paulo Albuquerque

01/02/2018 - 13:32h

Dois assuntos.

De alguma forma a gente, cidadão comum, adoraria ver presos todos os que soubemos (normalmente pela imprensa) terem cometido crimes. É o sujeito que estuprou; o ladrão; o assassino; o traficante; o cara do colarinho branco…

…Desde o início da Operação Lavajato, então, quando escancaram as portas do inferno que é esta relação entre políticos e empresários, este nosso desejo em comum aumentou consideravelmente…

…Quero dizer para o cidadão básico (inclusive pra mim mesmo) que este sentimento não é de todo errado. Houve tanto ‘esforço’ dos personagens (políticos e empresários) para que passássemos a odiá-los, que assim o fizemos sem qualquer drama de consciência…

…A questão, vendo tudo com um pouco mais de distância e comedimento, é que não podemos atropelar um dos principais esteios do Estado Democrático de Direito: a presunção da inocência. O cidadão só pode ser encarcerado (preso) após findarem os recursos a que tem direito. Se ele puder e quiser recorrer até a 3ª instância, e se está previsto que ele faça isso em liberdade, é assim que precisa ser…

…Não se trata aqui de proteger (ou punir) fulano ou cicrano…

…O ex-presidente Lula está sendo julgado. Mas tem direito a recursos. Mesmo que nós, cidadãos comuns, desejemos vê-lo preso porque acreditamos nas provas que estão no processo julgado em Curitiba e em Porto Alegre (1ª e 2ª instância) ele ainda pode ficar solto até esgotarem-se os recursos…

…Se não defendermos isso como uma garantia geral amanhã pode ser qualquer um de nós, ou um parente ou amigo. Não dá para mudar nosso entendimento por conta de circunstâncias.

Outro assunto.

Amadurece um mim uma convicção de que este clima de antagonismo e ódio será nosso algoz em 2018…

…Teremos eleições importantes, e o clima de fla-flu entre os que se acham ‘direita’ e o que se acham ‘esquerda’ pode trazer um atraso irreparável ao Brasil. Nem tanto ao sol, nem tanto à lua, diz o adágio. Ninguém está totalmente com a razão. Não há só gente boa de um lado e ruim do outro. Apavoram-me os radicalismos, porque eles já deram todas as provas de que só fazem estragos à vida social…

…Somos plurais, mas temos que conviver nos pontos convergentes. Se formos partir pra luta armada toda vez que nossos valores não prevalecerem, não teremos (e nem daremos) paz…

…Ainda falta muita água pra passar por baixo da ponte, mas estou na torcida por um caminho mediado. Um projeto intermediário. Uma saída mais inteligente pra nós.

Afinal, merecemos.

Busca rapida:

“Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Jornal Cocktail”