Não há problema; refundaremos a República

Por: Paulo Albuquerque

10/06/2017 - 12:27h

 

..Na ressaca deste sábado, dia 10 de junho de 2017, acordei com um sorriso maroto, não nos lábios porque não tenho mais ousadia para tanto, mas em meus pensamentos…

…A explicação para a alegria contida estava em um sonho que me chegou praticamente na hora em que acordei (estava em viagem, retornando a Palmas após as minhas atividades como professor em Gurupi): os brasileiros, como que em uma catarse, armados com a melhor das armas que a modernidade poderia lhes dar, a internet; e em seus smart’s buscavam frenética e incansavelmente informações sobre os políticos que ocupam o poder no País…

…“Entra no site da Câmara dos Deputados e depois vá ao Senado – ajudava uma jovenzinha, que falava alto, como que fosse dela a missão de monitorar a todos na tarefa”. “Eu encontrei aqui no Transparência; tem tudo aqui – dizia um homem gordo, que suava, visivelmente excitado”…

…Uma mulher com uma criança no peito, bem à frente; dois passos adiante o vendedor de pão de queijo na bicicleta, idem; um cara alinhado, com roupas caras parecia mesmo alheio, sentado no banco da praça insistia no google; um petista (cheguei a esta conclusão porque ele trajava uma camiseta do partido com o engajado ‘Fora Temer’; uma moça da classe média, supostamente intelectualizada, mostrava às amigas em outro grupo onde estavam as informações preciosas que todos buscavam; e para encerrar esta parte do sonho (embora, repito, TODOS estivessem fazendo a mesma coisa), um coxinha, dentro de seu Fusion 2010, estacionado sob a única árvore da alameda, com seu Sansung de penúltima geração…

…Em meu sonho não havia mais raiva no semblante das pessoas, ao menos não mais como a que tomou conta de todos ao final da sessão de horrores do TSE no dia anterior. Os olhares que eram trocados, os estímulos mútuos e a cumplicidade geral estavam mais para aqueles raros momentos em que a gente percebe uma massa determinada, otimista, pensando e agindo justamente para um mesmo propósito. Eu arrisco a dizer que havia alegria no ar…

…Ora, que coisa mais inteligente e simples: buscar a ficha de cada homem e de cada mulher que representa o cidadão nas casas que fazem as leis do País! Eles estavam certos de que poderiam encontrar ali pessoas decentes, e que de repente até poderiam continuar em suas atividades no parlamento, mas o que os brasileiros em meus sonhos mesmo era identificar os bandidos travestidos de políticos: os que têm ficha corrida com processos de todos os tipos; os condenados e absolvidos pelo voto; os sem talo, sem moral alguma; os sem-vergonha que afundaram o Brasil na lama mais fedorenta que poderíamos suportar. Estes eram os alvos, os caçados. E povo estava nesse alvoroço por algo bem simples: caiu-lhe a ficha! “Vamos mudar o Congresso; já que não há mais nada a fazer até 2018, vamos ao menos nos preparar melhor para a nossa participação nesta tal democracia representativa”…

…Esfreguei os olhos e respirei fundo. Não voltei a dormir por dois motivos: primeiro porque estava há bem poucos quilômetros de descer do ônibus; segundo, porque fiquei com medo de dormir novamente e sonhar outras coisas. Entende?

 

 

 

Busca rapida:

“Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Jornal Cocktail”