Furtos e Frutos

Por: Getúlio Dutra

07/01/2016 - 6:54h

 

Um amigo tem um sítio aqui por perto e percebeu que alguns vizinhos visitavam sua propriedade e lhe aliviavam de algumas galinhas e ferramentas, tipo enxadas, pás, baldes, essas coisas.

 

 

Longe de querer ir de encontro ao politicamente correto, ele foi ao encontro da força pública opressora, antigamente chamada polícia – braço armado da burguesia capitalista imperialista – , se é que vocês lembram.

 

 

Os policiais truculentos foram até a casa dos meninos que subtraíam as ferramentas e as penosas – a duras penas – do meu amigo e devolveram-lhe as ferramentas. Os galináceos, infelizmente, não.

 

 

Meu amigo perguntou aos representantes da lei se não iriam prendê-los e eles disseram que não poderiam, pois, hoje em dia, furto não é crime e pronto, ponto!

 

 

Resumo da ópera: meu camaradinha vai vender o raio do sítio, pois não dá pra ficar lá por motivos óbvios, claro.

 

 

E tudo dentro da mais perfeita lei, amiguinhos e amiguinhas.

 

 

Daí vocês reclamam que alguns juízes soltam meliantes que matam pra roubar um tênis, seus burgueses coxinhas!

 

 

Acho que, ao invés de trabalhar, vou começar a furtar, pelo menos escapo da Receita Federal, hein?
Abraço pra quem é de abraço, beijo pra quem é de beijo.

Busca rapida:

“Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo nenhum vínculo de opinião com a Redação da equipe do Jornal Cocktail”